sábado, 14 de janeiro de 2017

Dobradinha: Steve Vai e Joe Satriani

A dobradinha de hoje reúne dois guitarristas virtuosos que estão juntos por acaso, por emra coincidência do destino. O fato deles serem os guitarristas preferidos deste autor que vos fala não tem nada a ver.

A resenha do Steve é uma republicação, só que reescrita. Totalmente reescrita, na verdade. Já a do Joe, é inédita, e ia aparecer na Retrô 2015... só que a Retrô 2015 foi encerrada ainda na sua fase de pré-produção, pois nessa época, este autor estava desanimado e acabou encerrando suas atividades. Esta resenha do Joe foi uma das únicas finalizadas, juntamente com as resenhas de "The Book of Souls" do Iron Maiden, "Eternal" do Stratovarius e "Secret Garden" do Angra. Quem sabe o profeta publica essas outras também, algum dia...

Enquanto isso, contentem-se com isto:

Steve Vai - The Story of Light

Ano: 2012
Estilo: Rock Instrumental
Gravadora: Favored Nations
Sobre a banda: Steve Vai é doutor em música e conhecido por suas habilidades e técnicas virtuosas, figurando entre os guitarristas mais importantes do Rock Instrumental e sendo influência para vários músicos. Como opinião pessoal deste autor, Steve caminha por uma sonoridade misteriosa e esotérica que assume faces diferentes a cada audição, nunca dando-nos oportunidade de decifrar sua genialidade logo de cara.
Sobre o CD: Uma coisa que deve ser aprendida para o passageiro de primeira viagem em Steve Vai, é que Steve não faz álbuns de Rock. O Rock é só a plataforma que ele utiliza pra explorar diversas sonoridades e experiências místicas e transcendentais. Temos sim músicas animadas e agitadas, como "Gravity Storm", "Racing The World" e "Velorum", que transmitem adrenalina e tem refrões ótimos, mas mesmo nessas, podemos identificar os toques de sua veia mais artística. Principalmente "Velorum", que transita de um tom enérgico e arrasador pra algo lírico e profundo com extrema fluidez. E falando nisso, temos momentos de extrema poeticidade musical em "The Moon and I", que é de uma beleza celestial, "Creamsicle Sunset", com sua singeleza tocante, e "Weeping China Doll" que é de um sentimento bem intenso e tempestuoso. Outros destaques são os covers que Steve faz do clássico do Blues/Gospel "John The Revalator", na faixa "John The Revelator" que é cheia de atitude, e "Book of The Seven Seals", que transforma a música praticamente num musical. Por fim, "The Story of Light" é um álbum pra ser apreciado como uma fonte riquíssima de pureza, sentimento, intensidade e intemperança.
Faixas:
01. The Story of Light
02. Velorum
03. John The Revelator
04. Book of The Seven Seals
05. Creamsicle Sunset
06. Gravity Storm
07. Mullach A'tSi
08. The Moon and I
09. Weeping China Doll
10. Racing the World
11. No More Amsterdam
12. Sunshine Electric Raindrops


Joe Satriani - Shockwave Supernova

Ano: 2015
Estilo: Rock Instrumental
Gravadora: Epic Records
Sobre o artista: Professor de Steve Vai de de mais uma dúzia de guitarristas, Joe se destaca dos demais guitarristas virtuosos por não ser aficionado em músicas cheias de técnicas, firulas, enrolações e melodias que apenas outros músicos vão apreciar, mas sim por apostar em músicas eloquentes e extremamente carismáticas, agradando a todos os gostos. Não é à toa que suas canções são usadas em tantas vinhetas e trilhas sonoras por aí.
Sobre o CD: Essa capa no estilo "summer eletro hits" já mostra a pegada desse novo álbum, que dá uma boa revitalizada na discografia do guitarrista. Revitalizada necessária, porque desde seu clássico mais recente "Super Colossal", que Joe só fez álbuns desinteressantes e sem tanto apelo. Isso só mudou com o lançamento de "Unstoppable Momentum", que nos presenteou com canções bem diversificadas e criativas, mas calcadas numa atmosfera bem intimista, umbrosa e emocional. E agora "Shockwave Supernova" vem com tudo apostando mais na energia e entusiasmo, com algumas experimentações aqui e ali, e com um tom sazonado nas entrelinhas, mas com astral renovado que conquista o ouvinte desde a primeira audição. A maioria das músicas tem potencial para serem lembradas posteriormente, e todas elas são "aproveitáveis" por terem surpresas, detalhes e sacadas que ajudam o álbum a ser uma obra robusta e respeitável. Alguns destaques são a faixa-título, que apresenta aquele arroz e feijão tradicional e delicioso que Joe faz, "Crazy Joey" que é difícil e simples ao mesmo tempo, "Cataclysmic", que traz um tom intrigante e levemente sentimental sem deixar de ser empolgante, "If There Is No Heaven" que começa e termina de jeito taciturno, mas que o meio é dinâmico e entusiasmado, entre outras. As melhores na opinião deste autor, são "On Peregrine Wings", onde Joe encarna o espírito de Kiko Loureiro ao incorporar elementos da música brasileira na sua guitarra, neste caso, o Baião; "Keep On Movin'", que tem um sentimento subjacente; "A Phase I'm Going Through", que por conta do título e do instrumental multiforme, dá espaço pra viajar e refletir sobre a vida; e "Scarborough Stomp", que é a faixa mais pitoresca. "Shockwave Supernova" é um disco avigorante, tanto pra discografia do guitarrista, quanto pros fãs.
Faixas:
01. Shockwave Supernova
02. Lost in a Memory
03. Crazy Joey
04. In My Pocket
05. On Peregrine Wings
06. Cataclysmic
07. San Francisco Blue
08. Keep on Movin'
09. All of My Life
10. A Phase I'm Going Through
11. Scarborough Stomp
12. Butterfly and Zebra
13. If There Is No Heaven
14. Stars Race Across the Sky
15. Goodbye Supernova

0 orações:

Postar um comentário