segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

O Saudosista

Outro típico exemplar da fauna rockeira é o Saudosista. Possuindo mais idade que a maioria dos rockeiros da sua espécie, o Saudosista é um veterano do Rock que já viveu poucas e boas e que tem muito carinho e nostalgia pelas suas desventuras joviais.

O Saudosista é comumente conhecido como aquele tiozão que inspira sabedoria e vivência, que está sempre disposto a falar das suas loucas experiências juvenis à nova geração - mesmo que ela não queira ouvir. Mas não importa o tamanho do interesse do ouvinte, o saudosista sempre embala suas histórias com muita emoção e paixão na sua fala. Cada palavra é impregnada de um fogo ardente de excitação e empolgação, que faz o ouvinte se admirar com suas histórias. Algumas podem até não ser tão empolgantes assim, mas todas são contadas de forma épica.

E é esse um dos motivos para o Saudosista ser o que é. Ele gosta de fazer as pessoas ficarem admiradas com seus momentos de glória. Pois ele já viu bandas nascerem e caírem, já assistiu a shows de bandas clássicas, acompanhou pessoalmente os lançamentos das bandas (e ainda guarda seus exemplares ainda hoje), viu aquelas bandas novas consideradas "bandas que prometem" crescerem e chegarem lá, viu bandas ascenderem e decaírem, acompanhou de perto as reviravoltas nas trocas de integrantes das bandas, as picuinhas pessoais, as fofocas dos artistas e tudo que rodeava a vida pessoal e profissional das bandas, como se fosse um assíduo telespectador do TV Fama (mas um TV Fama true). Enfim, o Saudosista viveu muita coisa boa, boas o suficiente para fazê-lo ter muita saudade dos velhos tempos.

Especialmente porque o Saudosista também viu e viveu pessoalmente o "decaimento" do Rock, o que o faz ter ainda mais saudades de antigamente. Ele viu as TVs pararem de exibir tantos videoclipes de Rock; ele viu o fim da pirataria de fitas cassetes de obras das bandas, como também o crescente desinteresse (ou incapacidade) das pessoas por comprarem os vinis, discos, cassetes e etc das bandas; viu de perto a transformação da sua cena, que ficou cada vez mais apinhada de gente nova que parecia não entender "de verdade" o estilo; acompanhou as mudanças no cenário do Rock e Metal e seus estilos novos (Pop Punk, Post-Hardcore, Soft Rock, Rock Alternativo, Rap Metal, etc); viu como o Rock foi sendo distorcido pela mídia, fazendo o povo ter uma visão superficial ou equivocada do gênero, uma vez que o Rock "de verdade" foi sendo substituído pelas bandas novas que não tocavam Rock tradicional, e por aí vai. O foco nessas coisas negativas faz o Saudosista ser o que é, um sobrevivente de uma era de ouro.

Inclusive o excesso de saudosismo pode fazer o indivíduo contrair uma doença tão grave quanto a Síndrome de Underground, que é a Síndrome da Era de Ouro. Essa síndrome faz os doentes se dizerem "old-school" e rejeitarem tudo que é novo: bandas novas de estilos alternativos, bandas novas de estilos baseados nos clássicos, bandas novas que imitam perfeitamente o som antigo, inclusive bandas clássicas que ainda estão ativas! Porque anda que essas bandas clássicas fizer hoje vai ser tão bom quanto o que ela fez no passado.


"Essas bandas deviam morrer, não fazem mais nada que preste. Antigamente eram boas, mas hoje são totalmente irrelevantes", diz o indivíduo com a Síndrome da Era de Ouro.

Alguns chegam a ficar tão old-school que só se permitem gostar do primeiro e segundo (e com muita força, o terceiro) álbuns de uma banda, pois aqueles são os álbuns essenciais, o primogênito, o que trazia a identidade mais fiel do grupo. Não importa se a banda fez discos melhor produzidos, mais criativos e mais evoluídos depois, pois o Saudosista extremista só gosta das primeiríssimas coisa da banda. Você pode achar exagero, mas isso é exatamente o que acontece com o Metallica, por exemplo.


Mas fora os exageros, todos temos um pouco de Saudosista em nós mesmos. Embora nós não tenhamos a mesma vivência e experiência dos tiozões, nós podemos muito bem preferir a fase old-school das nossas bandas queridas (e nesse momento, você está pensando em várias bandas que trocaram o vocalista). E podemos até ter uma resistência às bandas e estilos novos, e também rejeitar a forma que o Rock/Metal estão sendo conduzidos atualmente, mas isso é natural. O ser humano gosta de conforto, e por isso, se apega ao que já conhece. Nesse caso, ao passado. Porque a cada dia, o futuro parece mais sombrio, mas o passado, mesmo as piores partes, vai ficando cada vez mais e mais brilhante. E colorido, apesar de ser relembrado em tons de sépia.

Por fim, saudosismo e nostalgia são bons, se usados em doses controladas. Mas pensar em aceitar totalmente o futuro também não é uma coisa recomendável, senão, vamos aceitar qualquer porcaria que aparecer. Por isso, vamos buscar um meio termo entre as duas coisas. Porque o passado é história, o futuro é um mistério, mas o agora é uma dádiva. Por isso se chama "presente". E é com essas citações de Watchmen e Kung Fu Panda que este autor diz adeusmetal.

2 orações:

Kymera disse...

Renan, talvez fuja um pouco do foco, mas você não acha que o problema do saudosista, em grande parte é devido à saudade da época "dos mitos"? Exemplo... hoje em dia há muitas bandas boas, quem diz que o rock hoje não é bom está muito preso ao passado e desatualizado das bandas novas. Mas acho que o principal é lamentar a passagem da época em que tudo era grandioso demais. Pois querendo ou não, estamos em épocas diferentes, não há mais a quebra de padrões, etc. Antigamente tudo era novidade, existiam os ícones do rock, e o rock era mal visto. Quer os fãs queiram ou não, hoje o estilo é visto com respeito, muitos rockeiros ainda se acham diferentes, mas a minha geração nunca vai saber o que é seguir um estilo tão mal visto pela sociedade. Hoje não existe isso. Eu pessoalmente penso que não é mais possível existir os impactos de antes. Acho que o problema dos saudosistas mais chatos e chorosos é que esperam um novo Lemmy, um novo Ozzy, um novo Jimi Hendrix, um festival impactante como o Woodstock, mas isso não vai acontecer. A gente tem que lembrar que essa galera estava no início de tudo.

Sinceramente, hoje em dia existem bandas tão boas quanto os famosos ícones, mas são muitas e com divulgação mais fácil, fãs muito espalhados em estilos diferentes, então se tornar o maior fica difícil. Não sei se deixei claro meu ponto de vista, mas sempre penso muito nisso e esse post me lembrou.

E no mais, a sua frase sobre o passado resume bem tudo. "mas o passado, mesmo as piores partes, vai ficando cada vez mais e mais brilhante".

Renan Lima disse...

Isso mesmo, Kymera. Seu comentário complementou e muito o texto =)

Postar um comentário