terça-feira, 14 de julho de 2015

Meu filho vai ter nome de rockstar...

... quero o nome mais bonito...

Algo muito comum entre rockeiros jovens e imaturos é seguir modinhas. Tem a modinha de idolatrar o Chimbinha, tem a modinha de curtir tudo que é pagão, nórdico e tolkiano, tem a modinha de não seguir modinhas, e tem a modinha de dizer que o filho vai ser rockeiro, que nem os papais.

Se os pais forem ousados, até colocam moicano na pobre criatura.

Existem dois tipos de rockeiros que desejam que seus filhos sejam que nem os papais. Um deles são os rockeiros que já são adultos, que não devem satisfação a ninguém, cuidam do próprio nariz e que podem botar um bebê no mundo quando quiserem e educarem do jeito que quiserem, "incentivando" o menino a ser rockeiro...

Tem aqueles pais que são tão rock and roll que morrem antes do tempo...

.E o outro tipo, é o rockeiro e/ou rokista jovem e imaturo, que ficou tão maravilhado quando viu bebês rockeiros no Facebook, que seu primeiro pensamento foi "QUERO UM FILHO ROCKEIRO!!!!!". Os seus instintos paternos só se manifestaram por causa disso, por causa de uma postagem no feice! Aliás, nem instinto paterno genuíno é, é só um fetiche por ter um bebê rockeiro e poder dizer: "Sabe esse mini-rockeiro aqui? E que fiz! huheuehueheuhe".

Vou comprar um monte de macacões de Rock, ensinar meu filho a tocar guitarra, ensinar quantos vocalistas o Black Sabbath teve, ensinar a discografia completa do Led Zeppelin... o que? Educar? Ensinar valores? Olha, agora que você tocou no assunto... eu não tinha pensado nisso... Ah, deixa isso pra depois!

E esses adolescentes pré-púberes não se contentam em ter filhos rockeiros, eles também adotam uma missão: SALVAR A NOVA GERAÇÃO!!!! Porque com mais rockeiros no mundo, mais o mundo vai ser... salvo!!! Pois rockeiros são superiores, especiais e inteligente, vão encher o mundo de cultura e agregar valor ao camarote!!!

É, dá pra perceber que os rockeiros adolescentes e rokistas são mais retardados que os rockeiros adultos. Mas ambos os tipos, adultos e jovens, reservam uma coisa pros seus pimpolhos: imposição de comportamento e falta de liberdade.

Quando se tem esse tipo de mentalidade ("meu filho vai ser rockeiro"), fica implícito que os pais vão fazer de tudo pro seu esperma manifestado seguir esse caminho:
  • Cantar "Enter Sandman" em vez de "Boi da Cara Preta" pro guri dormir,
  • Colocar roupinha de bebê escrito AB/CD,
  • Calçar coturninho na criança em vez de sapatinho,
  • Vestir colete com patche e bottom na criança ao invés de um mero casaquinho com gorro,
  • Colocar DVDs do Hevisaurus ao invés dos Backyardigans pra criança ver,
  • Colocar o clipe "Made of Metal" do Halford ao invés dos filmes Carros da Disney/Pixar,
  • Colocar Minions pro pimpolho assistir...
  • Contar histórias do Ozzy ao invés do Bicho Papão,
  • Comprar o livro Rock Para Pequenos pra ler todas as noites,
  • Dar leite com pequenas gotas de Jack Daniels pra ele ir se acostumando com o gosto e com o fígado sendo degradado,
  • Comprar um triciclo com modelo da Harley Davidson,
  • Dar uma violinha de plástico COM 6 CORDAS de brinquedo pra já ir praticando,
  • etc.
Aí quando o bebê crescer, chegar naquela fase onde o corpo está mudando, que transpira mais, a voz muda e a cabeça decide se rebelar, ele vai fazer como todo filho de pais católicos conservadores faz: se questionar e virar ateu. Nessa caso, o menino criado como rockeiro vai virar herege, e os pais vão condená-lo e se lamentar, chorar, arrancar os cabelos e se perguntar para Deus Metal: "ONDE FOI QUE EU ERREI??/??!!/1!". E isso poderia ser evitado se os pais não fossem idiotas e não tivessem uma mentalidade de "Já que é meu filho, segue os meus passos".

Na verdade, essa mentalidade de "Ele vai seguir os meus passos" tem uma justificativa: alguns pais encaram os filhos como uma extensão de si mesmos, e por isso, se sentem no direito de decidir as coisas por ele, querer que ele tenha os mesmos objetivos que ele, aja da mesma forma e tenha a mesma personalidade. É isso que faz, por exemplo, um pai querer que o filho torça pro mesmo time de futebol, ou exerça a mesma carreira profissional que ele.

Entretanto, um conceito que tem uma justificativa, que pode ser compreendido, não significa que é o mais correto. Se os pais pensam que seus filhos são extensões de si mesmos, os filhos acabam ficando reduzidos a meras cópias dos pais, sem vontades nem personalidade próprias. E se os pais quiserem, de fato, que os filhos sigam seus passos à risca, os filhos vão se rebelar quando tiverem idade para tal. Eles vão fazer de tudo para se diferenciar dos pais, e podem até fazer coisas no intuito de irritá-los e aborrecê-los de propósito. E aqui, este autor nem está falando sobre "criar seu filho como rockeiro", ele está se referindo a qualquer pai controlador. É essa a consequência do controle: o controlado vai querer se libertar, inevitavelmente.

O que este autor está dizendo? Que pais não devem vestir suas crias como mini-headbangers? Não, pois isso é super-recomendado! Este autor mesmo vai aproveitar muito seu bebê pra vesti-lo como "baby metal", vai ser uma fofura!

Mas ele está dizendo que deve-se deixar o filho seguir seu próprio caminho musical, seja ele qual for, sem julgar nem condenar. E que, caso o filho mostre desinteresse pelo Rock mais tarde, os pais podem se contentar por terem realizado seu desejo de ter um "filho rockeiro" pelo menos por um tempo. O importante é deixar o guri seguir seu próprio gosto e sua própria cabeça.

O bom é que este post é praticamente inútil, pois essa ideia fixa do "meu filho vai ser rockeiro" costuma acabar quando o rockeiro adolescente amadurece, e o rockeiro adulto passa a criar seu filho com sabedoria e mente-aberta. No máximo, incentivam os filhos a darem mais valor aos estilos musicais mais complexos - o que descarta por tabela, os estilos musicais mais populares.

Então fica aqui a mensagem deste autor pra quem leva esse negócio de "salvar a geração" apenas colocando uma camisa do bicho feio da dama de ferro num bebê: você é tão maduro quanto o bebê. Adeusmetal.

0 orações:

Postar um comentário