segunda-feira, 11 de maio de 2015

ZTV: Zombie Television

Um marco foi desprezado no país: a MTV Brasil acabou. Quer dizer, ela não acabou de verdade, ela ainda está sendo exibida na tv fechada, mas definitivamente não é a MTV de antigamente. Só manteve o logotipo. Isso que o canal nem se chama mais "music" television!

Mas o que importa de verdade é que essa emissora teve seu "falecimento" esquecido porque já não faz diferença pra ninguém há muito tempo. Os antigos jovens que assistiam ao famoso canal de videoclipes hoje são adultos amargurados e ressentidos com os rumos que o canal tomou, nunca perdendo a oportunidade de reclamar das músicas pop industrializadas que foram sendo integradas à identidade do canal que era conhecido por mostrar todos os estilos musicais. Esses adultos decepcionados com o canal acabaram conseguindo refúgio na internet (especialmente o YouTube), onde não precisavam mais ficar à mercê da emissora para ver seus videoclipes e suas músicas. Já a nova geração (a dita culpada pela disseminação das bandas emo e pop no canal) está mais inteirada na internet do que qualquer um. E caaaaaaso vejam algum canal de música, por algum milagre, vão assistir a VH1, BIS, Mix Tv, PlayTV, entre outras.

Em resumo: todo mundo foi pra internet. Com a popularização e democratização da informação, a internet se mostrou uma potencial alternativa para aqueles que estavam cansados da chatice e monotonia da televisão, que até hoje vive se copiando e se plagiando. Até a MTV, que era considerado um dos principais canais alternativos do Brasil (talvez O canal alternativo) sofreu com o advento da internet, já que as pessoas poderiam ver os clipes que queriam na hora que queriam, sem precisar esperar pela boa-vontade dos programas de emissora, sem precisar ligar pro Disk MTV, sem precisar votar pelo telefone, sem precisar mandar e-mails e cartas pra emissora, etc. A internet foi a principal causa-mortis da MTV, como também a carrasco de toda a televisão brasileira e mundial.

E a MTV sentiu esse golpe e essa perda de audiência com o decorrer dos anos. Foi duro pra ela pensar que não teria mais gerações de jovens interessados na sua programação, que perderia pessoas que poderiam estar ouvindo música de qualidade, deixando de ver atrações que se dedicavam inteiramente à Música. Foi por isso que a MTV veio se reformulando ano após ano, todo ano trazendo novas atrações e sempre prometendo o clima de entretenimento e jovialidade que o canal fazia. Ironicamente, a MTV quis fazer tudo isso sem dar à Música o seu devido destaque!

Ao invés de investir em programas musicais interessantes, a emissora tentou se adaptar às vontades do público. Tendo a premissa de que "as pessoas não se interessam por música na TV, já que poderiam ouvir em rádios e no computador", começou a investir em programas de variedades para atingir vários públicos-alvo ao mesmo tempo. Entre esses programas de entretenimento, tiveram reality shows importados da MTV americana (também já falida como canal de música) como My Super Sweet Sixteen, The Assistent, Wanna Come In? e Pimp My Ride; programas de auditório que poderiam estar em qualquer emissora aberta como Beija Sapo, Casal Neura e Lavanderia MTV; desenhos animados como Mega Liga MTV de VJs Paladinos, Rockstar Ghost e Fudêncio e Seus Amigos - incluindo os animes Desert Punk e Afro Samurai -, entre outros programas nada a ver com Música. Não que emissora já não tivesse programas de entretenimento assim, pois ela era conhecida também pelo RockGol, Cine MTV, Ponto Pê e Hermes e Renato, mas a quantidade de programas "nada a ver" se multiplicou ao longo do anos - com direito a transmissão do reality show dos Colírios Capricho em 2010!

Outra mudança que a MTV passou para tentar manter a audiência foi a conhecida mudança de estilo de suas músicas, sempre Pop, R&B Contemporâneo, Hip Hop e outros estilos pop que sempre tocam nas rádios. Isso foi um tiro no pé da emissora que sempre ficou conhecida por mostrar diversos estilos de música, cada estilo em seu programa distinto, em seu horário tradicional, com os VJs (apresentadores) próprios para tal. A MTV passou assim a dois tipos de estilos: as alternativas-indie-metidas-a-moderninhas-cult em geral, e as bandas que exaltavam o espírito pré-adolescentes com hormônios borbulhantes, que transmitiam rebeldia e emoções exageradas: Nu Metal, Metal Alternativo, Metalcore, Emocore, Pop Rock e bandas góticas-sombrias-depressivas de butique. Não precisa dizer que essa mudança afastou os antigos fãs da MTV e arrebanhou a nova geração louca pra ver o Disk MTV ou o Top 20 abarrotado de "Metal e Rock de verdade" com Avril Lavigne e My Chemical Romance.

Já em 2008, o canal chegou a um momento decisivo na sua proposta, procurando se aliar à Internet pra se manter vivo e permitindo ao público explorar a interatividade entre a televisão e a web. Além de possibilitar a visualização de matérias, programas ou conteúdos mais extensos no seu site oficial, também apresentava fã-pages, e-mails oficiais e o próprio perfil dos VJs nas redes sociais. Tal interatividade teve seu auge quando a emissora passou a integrar tweets das pessoas no meio da programação, permitindo que elas aparecessem durante a programação reagindo e opinando em tempo real. E essa foi uma ideia largamente copiada pelos canais abertos.

Outra ideia usada pra garantir sua sobrevivência foi a produção de programas com tempo de duração reduzido e fora do habitual, para seguir a premissa de que "essa nova geração consome tudo muito rápido e não quer gastar seu tempo pra ficar mais de meia hora na frente da TV". Enquanto programas de televisão em geral duravam NO MÍNIMO 30 minutos, a MTV inovou e lançou programas com apenas 15 minutos. O programa mais emblemático nesse formato foi o... 15 Minutos, estrelado pelo humorista Marcelo Adnet e co-estrelado pelo misterioso Kiabbo, que foi um fenômeno de audiência. Além de levantar um pouco a moral da MTV, o 15 Minutos também lhe deu coragem para seguir no investimento de programas de humor, e foi aí que nasceram o Quinta Categoria com a participação do grupo de improviso Barbixas, Furo MTV, Furfles MTV e Comédia MTV, que foram os humorísticos mais lembrados e consagrados. O que não quer dizer lá muita coisa.

Eram os programas de humor que carregavam a MTV nas costas, até que em 2011, Rafael Queiroga, Rodrigo Capella, Guilherme Santana e Fábio Rabin saíram da emissora por contratos vencidos e deixaram o Comédia MTV com os cinco humoristas remanescentes, dando o marco para uma reformulada na atração que retornou em 2012 como Comédia MTV Ao Vivo, alternando esquetes gravadas com esquetes encenadas ao vivo pelos humoristas em frente à plateia do estúdio. Apesar do desfalque de atores, o programa continuou com a qualidade costumeira, inclusive com seus clipes humorados. Este abaixo foi o mais famoso:


"... MTV acaba amanhã"... Mensagem profética.

E em 2013, Marcelo Adnet foi pra Globo, Dani Calabresa foi ser repórter no CQC, e Tatá Werneck foi ser atriz na novela global, deixando Bento Ribeiro sozinho apresentando o Furo MTV com convidados. Não restou nada de destacável na emissora além da volta do Hermes e Renato e do seriado "A Menina Sem Qualidades", elogiado e benquisto pelos críticos, mas um fracasso de audiência. E foi em 30 de setembro de 2013 que a MTV Brasil morreu.

Toda essa história trágica indicou que a MTV Brasil foi morrendo aos poucos, com algumas revitalizadas, mas sem o prestígio de outrora, sem restar ninguém para dar flores em seu túmulo. Pois a nova geração já tem outros canais musicais de qualidade e a internet para dar atenção, assim como a antiga geração, que tem mais uma coisa que o resto não tem: as memórias. Os lamentos por não existirem mais programas como Gás Total, Fúria Metal, Teleguiado, Lado B e Yo!, os mais consagrados pelos saudosistas.

Enquanto a MTV antiga morreu, suas ideias permaneceram vivas em outros canais. Este autor já citou a interatividade entre o público e os programas de tv em tempo real via twitter, mas há outras ideias que foram plagiadas por todo mundo, por exemplo... Sabe quando os videoclipes mostram caixinhas de texto contendo informações sobre o artista, a música ou o próprio clipe? Isso veio do programa DataClipe. Sabe quando a pessoa vota por telefone ou internet para escolher um clipe, fazendo ele subir e descer de posição num ranking? Provavelmente não. Este autor que vos fala também não sabe se há um programa hoje com esse formato. Mas foi a MTV quem transportou esse sistema de "paradas" da rádio para a televisão primeiro. E sabe quando tem uma batalha de clipes, onde a audiência escolhe quem vai aparecer em seguida? Isso veio do programa Video Clash, e foi uma ideia copiada principalmente pela Mix TV! Com isso vemos que o canal sempre teve boas ideias, mas errou ao deixar de lado a sua originalidade para tentar se adequar aos "novos tempos" O desejo de se manter como um "monumento tombado", ou um canal de vanguarda, não foi tão forte quanto o desejo de querer audiência, e assim perdeu-se a cabeça. Perdeu seu público fiel e desperdiçou a chance de ser um canal sólido pra todas as futuras gerações interessadas em boa música.

Isso significa que a MTV não deveria se importar com a perda de audiência?

Exatamente.

O respeito pelos clássicos e coisas antigas é eterno, pode ser passado de geração pra geração sem sofrer modificações na sua mensagem, linguagem ou proposta. Como as bandas brasileiras dos anos 80 que são elogiadas até hoje, como a procura por CDs e vinis que sobrevive apesar da era de compartilhamento livre, como o Rock que vive de velharia... Nada tira o prazer de aproveitar essas coisas velhas, mesmo que não sejam comuns ou usuais dos "novos tempos". Elas transmitem sensações, mensagens, auras e almas únicas, insubstituíveis. Por exemplo, mesmo que você possa baixar um filme e assisti-lo em casa se esparramando no sofá ou na cama comendo e bebendo o que quiser e fazendo o barulho que puder, nada se compara a ver um filme no cinema. Não é a mesma coisa, todo mundo sabe disso. Não é a mesma coisa ter o prazer de ver um clipe na internet e vê-lo na TV, como a MTV nos ensinou a fazer. Graças a ela, aprendemos a ouvir e ver Música. Tivemos uma nova visão dessa arte, ampliando nossos conceitos e seguindo as tendências que o canal lançou. O legado que a emissora deixou (tanto lá fora quanto aqui) é inegável... Pena ela ter se deixado levar pelos "novos tempos" e não ser fiel às suas propostas. Seu legado está espalhado nos outros canais que copiaram suas ideias e nas bandas pop descartáveis que ficaram famosas graças a visibilidade que o canal lhes deu.

O mais triste disso é que a MTV já está morta... e além de ninguém querer levar flores no seu túmulo, não existe um túmulo. Porque não deixaram este morto descansar.

0 orações:

Postar um comentário