domingo, 10 de maio de 2015

Sermão da Planície [01]: Livre Arbítrio

Inspirado naquele hippie cultuado pela religião cristã, e na Planície de Ida, a planície localizada em Asgard aonde repousa o santuário de Gladsheim, eis que este autor que vos fala republica o sermão mais didático da Bíblia do Rock, o sermão que foi a base ética, moral, filosófica, ideológica, geológica, astrológica e escatológica de muita gente. E graças a esses sermões, muitos já estão vivendo uma vida feliz e próspera! Tão próspera que hoje em dia nem tem tempo pra ler a Bíblia.

Cada sermão tem uma tema, e hoje o tema será Livre Arbítrio, que tratará de como você irá se portar ao espalhar a palavra de Deus Metal e converter as pessoas.


Ame ao próximo como a ti mesmo
Então você é um rockeiro que descobriu a maravilha que o Rock é, e agora quer espalhá-lo pra todo mundo. Pois bem, muito provavelmente, você já se veste de acordo com seu estilo musical, já vem vestindo roupas pretas e camisas de banda, usando acessórios de Rock, e sempre carrega seu celular com aproximadamente 581647512396438516 álbuns do estilo, todos bem pauleira mesmo. Então, tecnicamente, você não precisa anunciar pra ninguém que é rockeiro e que está doidinho pra converter hereges, pois todo mundo nota de longe!

Dessa forma, sem precisar de apresentações iniciais, você pode puxar conversa com as pessoas com quem convive, e mostrar seus gostos musicais e os motivos pra você gostar dele, fazendo a pessoa ficar interessada pelo Rock. É importante também apontar que o Rock tem vários estilos, então se a pessoa não tiver gostado da música que você mostrar, ou a banda, ou até o estilo, tente mostrar outras músicas, ou indicar onde a pessoa pode pesquisar mais sobre o Rock.

Mas tudo isso deve ser feito com respeito. Esta deve ser a lei regente. É importante enfatizar isso, porque esse é o melhor caminho para apresentar qualquer coisa que você queira mostrar pros outros: seus gostos pessoais, sua ideologia, suas crenças, suas visões, as coisas que você defende, as coisas que você quer que os outros acreditem, como você, enfim. Todos gostam de uma pessoa respeitosa que sabe expressar suas ideias sem ódio e sem rancor. Por isso, quando for tentar converter os hereges, dirija-se de forma a evitar falar mal das coisas. Concentre-se apenas nos benefícios de conhecer seu estilo musical. "Ah, ele aborda vários temas importantes, fazem a gente refletir, ele tem vários subgêneros, cada um com suas particularidades, e cada banda tem personalidade, todas elas tem uma mensagem pra passar, e o instrumental é bem complexo, cheio de detalhes pra ouvir e descobrir", etc. Trate os outros como gostaria de ser tratado, e colherá os frutos das suas obras.

Mas e se mesmo assim, a pessoa não gostar do que você oferecer?


Livre Arbítrio
Às vezes a sua conversão não dá bons frutos, e isso é totalmente normal. Todos tem direito de não gostar do que nós gostamos, certo? Não vamos ser como jesuítas que forçavam os índios a se converterem ao catolicismo, ou como os ateus de internet que cultuam cientistas como se fossem deuses e zombam dos religiosos. Deixemos de lado toda a nossa gana e fanatismo, larguemos a nossa intolerância e orgulho, afastemos de nós todo sentimento de revolta e indignação quando o próximo não mostrar interesse no que gostamos. Deixemos, pois, de ser babacas, e respeitemos o livre-arbítrio.

Se do contrário, nos invocarmos, ficarmos pessoalmente ofendidos, nos sentirmos pessoalmente desrespeitados e violados, vamos acabar acumulando e propagando o ódio, nos equiparando a religiosos fanáticos que só sabem nos xingar por não aceitarmos as ideias deles e a forma com que eles apresentam essas ideias, cheios de ódio, mania de grandeza e mania de superioridade. É bem comum vermos rockeiros argumentando dessa forma para os não convertidos: "Eu tenho pena de você que quer se manter ignorante, que não quer aceitar o que eu estou mostrando! Isso é culpa da mídia que nos influencia mal! Eu só estou querendo abrir seus olhos! Eu estou querendo te ajudar! Só idiotas burros curtem isso aí que você gosta! Isso que você gosta não vale de nada, não contribui em nada, não acrescenta nada pra nossa cabeça, é um lixo, não merece sua atenção, não merece audiência de ninguém! Eu estou te mostrando coisa muito melhor! Ouvindo Rock, você vai ser uma pessoa inteligente, uma pessoa com cultura de verdade! Mas se você quiser continuar burra e ouvindo essa porcaria, fazer o quê, né! Esse mundo tá perdido mesmo! Só rindo, viu!"

Sabe o que essa atitude faz? Faz de você um ser desprezível que ridiculariza, despreza e desrespeita os outros, só porque tem um gosto pessoal diferente. E a pior parte disso vem depois: como você é um rockeiro, você acaba sendo representante de todos os rockeiros, tal qual um atendente de uma loja de roupas estará representando toda a rede dessa loja de roupas. Logo, a pessoa que você esnobar, criará uma imagem ruim de todos os rockeiros, e passará a achar que todos são metidinhos e escrotos como você. E mais: além de criar preconceito com todos os rockeiros que vir a conhecer, essa pessoa vai passar o seu preconceito pra outras pessoas, que vão passar seu preconceito pra outras, que vão passar pra outras, e no fim, os rockeiros vão ter uma imagem de ogros extremistas, imaturos, metidos, arrogantes, pretensiosos e intolerantes.

"Ué, mas que culpa eu tenho, se as pessoas generalizam e gostam de formar preconceitos? É claro que a atitude de uma pessoa não representa as atitudes de outras pessoas!", você pode pensar e questionar. Mas infelizmente, é um instinto natural nós formarmos opiniões e ideias a partir das poucas experiências que temos com as coisas. Ora, nenhum de nós tem visão extremamente ampla sobre as coisas, então acabamos nos apegando às nossas experiências e às experiências dos conhecidos pra formar as nossas ideias e opiniões. E por causa disso, nenhum de nós está livre de formar opiniões superficiais e preconceitos.

E nesse caso, se você for escroto com uma pessoa não-convertida, essa pessoa pode não só adquirir preconceito com rockeiros, como também confirmar preconceitos que já tinha sobre rockeiros!

Pois é, olha só o tanto de problemas que você pode criar, só porque você não respeita o livre-arbítrio alheio!

Livre-arbítrio é liberdade de decidir o que fazer com a sua própria vida, e todos tem esse direito. Então, se a pessoa que você quis converter não sentiu que o Rock a agrada, não dê um ataque de pelanca. Apenas deixe pra lá, continue civilizado. E com esta atitude, você passará uma boa imagem sobre os rockeiros. Fará os não-convertidos saberem que rockeiros são maduros, respeitosos, que aceitam os gostos musicais alheios, e principalmente, que não são aqueles ogros extremistas que não tomam banho, como todo mundo pensa.

E mesmo que os não-convertidos continuem com seus preconceitos sobre rockeiros, pelo menos lembrarão de você e te usarão como exemplo para pensar que "Apesar de tudo, alguns se salvam".

Nem todos estão preparados ou dispostos a receber a palavra de Deus Metal em seus corações e em seus ouvidos. Estes prestarão suas contas com o Altíssimo no Ragnarök, ou se converterão tempos depois, quem sabe? Por isso, evitemos essas briguinhas idiotas e desnecessárias entre estilos musicais diferentes. Não precisamos de guerras santas e de gente querendo impor seus gostos pessoais.

Por fim, espalhe a palavra de Odin com respeito, paciência e tolerância, e perseverarás tanto na conversão quanto no revés. Que Deus Metal de abençoe muitíssimo, e adeusmetal.

0 orações:

Postar um comentário