quarta-feira, 13 de maio de 2015

Jimi Pages II

Aqui estão as segundas visões que Jimi Hendrix teve após ter se visto morto no auge do Movimento Hippie nas escrituras do primeiro capítulo das Jimi Pages. A partir daqui, Jimi já começa a ter visões reais do futuro, onde Odin replaneja todo seu reino após a queda do seu Filho. Este autor espera que os leitores entendam as metáforas e simbolismo usados por Jimi nessas escrituras, pois ele está com muita má-vontade de explicá-las. É tão legal deixar elas sem explicação formal e oficial, assim elas ficam... intactas, não perdem o seu charme. Mas quem tiver dúvidas e estiver desesperado por esclarecimentos, pode entrar em contato com o profeta.

E lá vamos nós...


Jimi Pages II

A ida do Filho à Valhalla fez o Senhor se preparar para a adversária. Temendo que seu reino decaísse  logo no seu auge, Ele planejou seus futuros passos com cautela e sabedoria, sem deixar sua esperança evanescer nem os filhos da terra sem ordem divina, nem ordem maligna. E fez geminasse uma nova classe de sacerdotes, empenhados a manter o Reino evoluído como nunca antes foi visto. E o Altíssimo deu-lhes poder para realizar laboriosos prodígios que os habitantes da Terra Média não conseguiam compreender em toda sua grandeza, mas que os deixavam encantados com a formosura e sublimidade das suas obras. Pois eram de um enredamento sem igual, de grandiosidade tamanha e estupenda.

Contudo, estes sacerdotes prodigiosos começavam a se envaidecer com sua própria grandeza, e se regojizar com seus próprios prodígios, deixando de lado os habitantes da terra que já não olhavam para sua luz - que já era intensa demais para ser encarada em sua totalidade, passando a ser admirada apenas por seletos que conseguiam enxergar sua grandeza. Vendo que os sacerdotes prodigiosos não mais espalhavam sua palavra como gostaria, Deus Metal se valeu deste infortúnio para trazer uma nova mensagem, uma mensagem de resposta, uma mensagem de revolta, uma mensagem que inflamou os corações dos espíritos joviais e dos inquietos. E fez que uma grande legião ascendesse para gritar as doenças que a Terra Média sofria, para representar o horror que ela estava fazendo seus habitantes sofrerem. E esta legião era rebelde aos olhos dos donos das nações, sendo denominados autores de diversas avarias e abominações, seres sujos de natureza pecaminosa. Eram os demônios da Terra Média que reinavam absolutos no submundo, destinados a marcar a história de Midgard para sempre como lutadores revolucionários.

No submundo emerge três homens que usam o título que um dos Quatro Cavaleiros usava quando descansava de sua peregrinação, e mais porta-vozes hão de elevar-se, e os donos das nações não impedirão seu levante nem que usem homens para dispersar e confundir os demônios.

A Inimiga via que Odin não descansava e continuava a expandir seu reino através dos anos e evoluindo com constância, e praguejou contra os demônios da Terra Média com ódio e furor. Eis que sua praga tomou forma, e os demônios desprenharam filhos que não nasceram sob a luz de Deus Metal, e por isso eram bastardos ante seu reino, os malditos filhos da nova onda que moldaram a obra de seus pais na sua própria forma para obedecer aos desígnios da Inimiga. Alguns bastardos eram vibrantes, outros sombrios, e outros amálgamas, e todos estes serão ceifados por Odin na destino final.

Concomitante ao levante dos sacerdotes e demônios, a obra original de Odin seguiu sua evolução natural e tomou formas deleitáveis e venustas, mesmo quando seus porta-vozes foram influenciados pelas direções estilísticas daquele momento, que eram deveras exóticas por desafiarem as noções de gênero. A essência da sua mensagem ainda estava presente e palpitante nas palavras dos porta-vozes, e Odin viu que isto era bom. Os donos das nações não podiam impedir que o reino d'Ele se erguesse cada vez mais alto, pois assim pediam os filhos da terra, que eram ávidos por adorar aqueles ídolos e por obedecer aos desígnios de Deus metal, que operava através daqueles ídolos.

As obras dos sujos tiveram seu auge quando o calendário regente de Midgard foi marcado com dois números sagrados, e assim se completou mais um ciclo. O momento era de fazer emergir da terra novos portadores da palavra de Deus Metal, e estes novos mestres foram escolhidos para personificar a máxima essência da Sua palavra, destinada a ser guardada, proferida e eternizada, como toda obra do Senhor. E seus sacerdotes foram adorados pelos povos da terra e odiados pelos principais regentes dela, como era previsto e aceitável.

Foi então que, reunindo a vontade dos sacerdotes por evolução, a inconstância dos demônios e o brilho dos seus ídolos com outros elementos, o reino de Odin preparava-se para sofrer uma transfiguração completa, e grandes planos Ele tinha. Seu reino teria muralhas altas para resistir aos ventos e às pelejas dos inimigos; tamanho considerável para abarcar todos os seus filhos da terra por Ele arrebanhados; altura para alcançar o mais alto dos céus e ser glorificado e santificado como o reino eterno que habita na infinidade; e poder e glória incomensuráveis para guiar todo o povo à salvação e à eternidade. E foi assim que a pedra angular deste novo reino transfigurado não achou mais seu lugar, pois um material mais forte, resistente e poderoso estava destinado a substituí-la. E a esta nova pedra angular deu-se o nome de Metal, e graças e louvores hão de ser dados a ele a todo momento em sua glória perpétua.

Assim, a primeira pedra que edificou a igreja de Odin não mais será a principal, mas será rejeitada e deixada aos habitantes de Midgard sem ordem divina, que irão moldá-la ao seu modo. E a pedra outrora valorosa decairá nas mãos impuras dos mortais e levada à queda e à sua ruptura, que se esfacelará em apertura, restando apenas seu espírito. E esse Espírito remanescente guiará os discípulos do Senhor, que persistirão em sua estrada rochosa, mas não evoluirão mais, nem terão a opulência merecida, pois os olhos do Senhor não mais os vigiarão, e sua mão não mais lhes guiará.

Mas chegará o dia em que o Espírito será vigiado novamente pelos olhos do Altíssimo, pois encarnará numa nova legião. E esta legião emergirá de um sorvedouro localizado numa terra desgraçada, e será liderada pela encarnação de Baldur em Midgard. E sua presença será o momento decisivo para o Destino Final dos Deuses.

***
Essa segunda parte fez referência a tanta coisa que o Capitão América teria um infarto lendo essas coisas. Você notou todas elas? Se ainda não notou, não se preocupe, pois ainda tem mais cinco partes para adentrar essas questões e completar essa saga. Adeusmetal.

0 orações:

Postar um comentário