sexta-feira, 1 de maio de 2015

Discografia do Metallica

Este autor que vos fala confessa que só conhece quatro discografias de cor e salteado: a do Jimi Hendrix Experience, a do Nirvana, a do Mamonas Assassinas e a do Metallica. Quer dizer, conhecer a discografia das três primeiras bandas citadas é a coisa mais fácil do mundo, ainda mais porque este autor nem inclui os álbuns ao vivo, as compilações, as edições especiais, nem nada assim.

E enquanto esperamos pacientemente e calmamente pelo novo álbum do Metallica (ô bandinha enrolona), vamos fazer um resgate de tudo que a banda lançou até agora?

Kill Emo All (1983)
O álbum de estreia já mostra a que a banda veio, destruir os tímpanos (e martelar as cabeças) de hereges. Era pra ele ser chamado de "Metal Fuck Your Ass", mas como a gravadora não queria ter seu nome associado à sodomia e despertar a fúria da igreja protestante dos EUA, o nome foi mudado para algo menos impactante. Quer dizer, mais ou menos. O álbum conta com os hits "Hit The Lars", "The Four Centaurs", "Pula a Fogueira Iá Iá" e "Seek it, Destroy it, Break it, Fix it, Trash it, Change it, Mail it, Upgrade it".

Ride The Lightning McQueen (1984)
Neste segundo álbum, a banda fez uma homenagem ao filme da Pixar "Carros", influenciando inclusive Halford no seu último disco. Considerado melhor que o primeiro, o disco mais thrash da banda tem, além da faixa-título, os hits "Fight Fire With Water", "Face Too Black", "Creeping Megadeth", e "For Whom Belong The Bell Trolls".

Master of Puppies (1986)
Dito como o melhor disco da banda, "Master of Puppies" traz a história de um homem louco por cachorros, que acaba se casando com a louca dos gatos. Ambos se amavam, mas os seus respectivos animais de estimação se odiavam e travaram uma guerra sangrenta, dando origem ao roteiro do filme "Como Cães e Gatos". O álbum tem os hits "Samba School's Battery", "Welcome Home (Sanitarium Arkham)", "Deportable Heroes" e a faixa-título.

... Injustice for Me (1988)
Como o título expressa, neste álbum a banda critica o sistema judiciário, que prende inocentes e deixa bandidos livres para que nós os elejamos. Por ser mais profundo, o álbum tem baladas e músicas mais calmas, para a tristeza dos fãs que já estavam acostumados com Thrash de primeira linha. Em compensação, ganharam um álbum com mais conteúdo reflexivo. "Injustice" reúne os hits "Black Nerd", "Eye of Beowulf", "One, Two, Three, Four" e a faixa-título.

Acillatem (White Album) (1991)
O "White Album" foi inspirado nos Beatles, que anos antes fizeram o "Black Album", e é de longe o disco masi comercial e mainstream do Metallica. O disco tem músicas como "Ctrl+Alt+Del Sandman", "Heretic But True", "Wherever I May ROAAAR" e muitas baladas como "The Unforgettable", e "Nothing Else Matters, So Fuck You".

Loading... (1996)
5 anos após o "melhor álbum", o Metallica travou como a Microsoft e deixou os fãs que esperavam um retorno ao Thrash tradicional de mãos abanando, esperando pelo próximo álbum e recarregando sua boa-vontade em continuar acompanhando a banda. As músicas mais conhecidas do álbum são "Bleeding Between My Legs", "Villain of The Day", "2 X 4 = 24" e "Where's My Bitch".

Reloading... (1997)
É uma continuação do álbum anterior, que deixou os fãs esperando de novo por um álbum de Thrash Metal tradicional. Uma vantagem deste álbum para o último é que este tem a capa totalmente carregada. Suas músicas mais famosas foram "Empty Fuel", "The Memory of The Old Metallica Remains" e "The Unforgettable II".

S&M (1999)
Esse álbum não faz exatamente parte da discografia do Metallica, mas é bom inclui-lo aqui. Ele reúne uma orquestra inteira para tocar as maiores músicas da carreira da banda e transformá-las em trilhas sonoras para aqueles momentos picantes onde o ganso é afogado com violência. O álbum foi muito bem recebido pela crítica e público, que devem ter feito o álbum cumprir exatamente seu objetivo.

Monsters Inc. (1999)
Este é outro álbum que não faz parte da discografia original da banda. Ele é uma compilação de de covers que o Metallica resolveu fazer do nada, já que não tinha nada melhor pra fazer. Álbum bom de Thrash Metal e não-comercial? Nah, isso não é prioridade. Alguns dos covers mais benquistos foram "Live, Live, My Dear", "Husky In The Jar" e "Ema Ivo".

St. Wanker (2003)
A capa mostra o que a banda esteve fazendo nesse tempo ao invés de tocar coisa boa. No álbum, James canta como nunca (nunca cantou tão mal), Lars toca panelas Tramontina como ninguém, e Kirk e Robert nem parecem que estão tocando. Apesar de tudo, ainda houve hits que se salvaram, como "Some KinderOvo of Monster", "The Unnamed Feeling That Destroyed Metallica", "Fran(é)tic(o)" e a faixa-título.

Megadeth Magnetic (2008)
Depois de um longo tempo tocando só porcaria, eis que uma esperança surge no fim do túnel e o Metallica nos entrega um álbum de volta às raízes, aproveitando sua volta triunfal pra alfinetar sua banda rival. O disco que marca a ressurreição do Metallica tem os hits "Broken, Beat and Fucked", "Chloride", "The Judas Priest Kiss", "All Sunshine Long", "The Unforgettable III" e "The Pizza That Never Comes".

Lars (2011)
E chegamos à última obra relevante do Metallica que não faz parte da sua discografia oficial. Neste registro, a banda se junta ao músico Lú Vermeelho para fazer uma ode ao baterista mais querido e amado do mundo, Lars Acid Ulrich! Se bem que este autor acha que ele não merecia tanto... deve ser inveja.

Gostaram dessa recapitulação? Pois aproveitem para pedir outras recapitulações de discografias que este autor pode fazer! Enquanto isso, este autor jogará Monopoly Metallica sossegado. Fiquem na paz do Senhor.

0 orações:

Postar um comentário