quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Dissecando letras: Jorge Vercillo

O salmo herege preferido da audiência voltou, com mais um artista antigo que todo mundo já se esqueceu! Esse é do tempo que a "MPB" estava em alta nas rádios lá no início dos anos 2000, junto com grandes nomes como Ana Carolina, Adriana Calcanhotto, e... só. Foi aí que Jorge Vercillo se destacou, sendo um dos artistas mais superestimados da música brasileira, apresentando uma música leve, padronizada e pegajosa, e letras que eram bem, mas bem superficiais na sua profundidade, não haviam metáforas ou lirismos mais complexos e bem sacados. Algumas vezes a mensagem era tao óbvia e explícita que alguns se perguntavam porque, afinal, ele era rotulado como MPB, estilo conhecido por suas letras complexas e incompreensíveis. "Nada vai me fazer desistir do amor" é um refrão tão banal que só não era brega porque não era cantado por nenhum artista sertanejo ou forrozeiro. E pra relembrar você de como suas letras não eram nada demais, ou então te fazer perceber como elas não eram lá essas coisas, vamos dissecar dois grandes sucessos desse grande artista que ninguém mais lembrava que existia. Inclusive, olha a cara desse cidadão. Ela é tão comum, não tem nada de especial, nenhum traço marcante! Ele com certeza pode sair na rua tranquilo, pois ninguém o reconhece de cara. Enfim, simbora:


Jorge Versículo - Monalisa



É incrível
É realmente incrível as coisas que faziam sucesso naquela época.

Nada desvia o destino
Nossa, você tá sendo tão pessimista quanto o próprio John Connor no terceiro filme do Exterminador do Futuro, achando que o destino é predeterminado e não podemos mudar ele. E esse foi justamente o pior filme da trilogia! Olha só em que que você se baseia, Jorge!

Hoje tudo faz sentido
E ainda há tanto a aprender
Isso foi uma clara referência ao verso "a beleza de ser um eterno aprendiz", que pode tanto significar que Jorge tem boas referências, quanto mostrar que ele tá copiando o que já foi feito. Depende da interpretação raivosa ou benevolente da pessoa.

E a vida tão generosa comigo
Veio de amigo a amigo
Me apresentar a você
Ué, só porque a mulher é amiga de um amigo seu, você acha isso "coisa do destino"? Todo mundo conhece alguém que conhece alguém, rapaz. Conhecer pessoas relativamente distantes é fácil nesse mundo conectado que vivemos.

Paralisa com seu olhar
Monalisa
E desde quando a Mona Lisa tem um olhar que paralisa?! Sabe qual mulher tem esse olhar?! A Medusa! "Paralisa com seu olhar de Medusa" ia ficar muito mais coerente! E ainda cabe na métrica da música! O olhar da Mona Lisa só paralisa de incômodo, porque aqueles olhos sem cílios nem sobrancelhas são muito julgadores pro meu gosto.

Seu quase rir ilumina
Isso é outra coisa que incomoda na Mona Lisa! O "quase rir" dela e aqueles olhos julgadores fazem a Mona Lisa ser tão sonsa que dá raiva! Se você queria comparar a sua mulher a algo bonito, comparasse ao luar, às estrelas, a qualquer coisa genérica dessas, porque a Mona Lisa nunca foi um ícone de beleza. No máximo, um ícone de simetria. Mas não basta ter a cara bem diagramada, tem que ser atraente também.

Tudo ao redor, minha vida
Se um sorrisinho sonso ilumina a vida dele, imagina um sorriso inteiro, mostrando os dentes e tudo!

Ai de mim, me conduza
Junto a você, ou me usa
Pro seu prazer, me fascina
Já tô imaginando uma mulher sem cílio nem sobrancelha dando chicotadas sadomasoquistas no Jorge.

Deusa com ar de menina
Por que um "ar de menina" te atrai? Aaaah, gosta é das novinha, né, safado!

Não se prenda
A sentimentos antigos
"Pow mina, não é porque um Jorge já te chifrou, que eu sou igual a ele, tá ligado? A gente tem o mesmo nome, mas pode ficar tranquila, que comigo não tem Vercillo, ops, vacilo haushsauhsuahsuahsau"

Tudo que se foi vivido
Me preparou pra você
Mas se é ela quem tem sentimentos antigos, se a vida é dela, como isso te preparou? Quem ganhou XP foi ela, não você.

Não se ofenda
Com meus amores de antes
Ela não pode fazer nada se você ainda fala com elas pelo feice! Você responde o zap delas ainda pra quê, ô vacilão?

Todos tornaram-se ponte
Pra que eu chegasse a você
Essa é uma frase bonita, devo reconhecer. Mas quero ver se você vai apagar as nudes escondidas que você ainda tem dos seus amores de antes. ARRÁÁÁÁ, aí é que tá o negóço!!! Isso aí você não vai fazer!!!

Ô mulherada, cai nesse papo aí não. Esse Jorge é mau-intencionado. Tanto é que a próxima música a ser dissecada foi só pra aproveitar a onda do filme do Homem-Aranha que tinha estreado na época! Aquele primeirão, com o Tobey Miguire, o homem de 40 que ainda estava no Ensino Médio, igual os atores de Malhação. E também com a Mary Jane, a ruiva que em nenhum momento você se convence que ela é mesmo ruiva. E já que hoje estamos na onda de filmes de super-heroi, que tal olharmos pra trás e vermos como eles influenciaram a música brasileira?

domingo, 11 de fevereiro de 2018

25 capas de Rock e Metal trolladas com o FaceApp

Uma curiosidade inútil: este autor que vos fala nunca tira fotos pessoais. E quando tira, nunca é sorrindo. Então quando surgiu o FaceApp, o aplicativo de celular que prometia colocar sorrisos em fotos sérias, ele pensou "Isso aí é mentira, rapá. Isso é tão falso quanto aqueles comerciais do tempo que os celulares tinham tecla, que diziam pra gente enviar "RAIO" para 48902 pra conseguir ver o raio-x das pessoas se apontasse a câmera xumbrega do nosso celular pra elas". Entretanto, este autor deu um voto de confiança para a tecnologia atual, e testou o aplicativo em algumas das suas fotos. O resultado foi tão desastrosamente falso que mergulhou fundo no Vale da Estranheza, causando repulsa, temor e alguns pesadelos.

Mas o FaceApp realmente funcionava! Colocava sorrisos bem encaixados no rosto das pessoas. O caso é que o rosto deste autor é que não nasceu pra sorrir. Aplicativo de celular não faz milagre. Então ele resolveu testar o app na capa do "Aladdin Sane", e o resultado ficou bem decente. E assim surgiu a ideia de fazer um post só com capas do Rock e Metal tratadas pelo FaceApp. Infelizmente, o blog Santo Rock e o site TeamRock já tinham feito esse experimento, então essa ideia foi descartada.

Entretanto, este autor se esforçou para encontrar outras capas de Rock e Metal que não são tão icônicas, mas que pelo menos tem rostos. O que é algo difícil de achar, já que quem está acostumado a lançar discos com suas lindas faces nas capas, são os artistas de todos os outros gêneros musicais, não artistas de Rock e Metal, que sempre colocam coisas malucas ou agressivas ou poéticas ou qualquer outra coisa - como descrito no artigo Estereótipos: capas de disco. Então aqui vão 25 capas zoadas, ordenadas pelo seu grau de ruindade.


Nível 1: Até que tá decente!

"Aladdin Sane" não é a única capa que fica boa!

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Rock e conservadorismo

Hoje em dia o brasileiro está falando muito sobre política na internet. Até um tempinho atrás, ele dizia que não gostava desse assunto e não se envolvia "nessas coisas". E nas vezes que falava sobre isso, era sempre uma reclamação ou lamentação genérica, do tipo "isso é o Brasil", ou "nenhum político presta mesmo". Agora o cidadão comum faz questão de mostrar em sites e redes sociais as suas opiniões firmes, avassaladoras e absolutas sobre ideologias, sobre políticos, partidos, projetos de lei, como funciona a nossa política e economia, inflação, inclusive como é a política internacional, os regimes e modelos de governo, as tretas entre a direita e esquerda, as ditaduras e democracias, os reinados e impérios antigos, e por aí vai. E se as opiniões são declaradas com tanta firmeza, são defendidas em "debates" com unhas e dentes. Literalmente, pois as unhas são coladas nos dedos nervosos que digitam rápido e furiosamente, e os dentes da pessoa ficam rangendo de raiva. Isso nos faz pensar se as coisas eram melhores antes, quando o povo não discutia política, mas era harmonioso e unido, seguindo a máxima do "tá ruim pra você, também tá ruim pra mim", ou se é melhor hoje em dia, onde o povo se esbofeteia virtualmente por causa de política, mas pelo menos tem vontade genuína de ser mais engajado. Enfim, o ponto é que o brasileiro está mais disposto a falar sobre política, e tudo pode virar tema de debate. Inclusive... o Rock.

Sendo mais específico, o Rock (assim como vários outros assuntos) está sendo disputado por uma briga de torcidas bem competitiva. Essas torcidas são duas, uma veste camisa verde-amarela, ou azul, e a outra veste camisa vermelha. De um lado tem os coxinhas, de outro, os mortadelas. O Rock é de que lado, gente?! É pra lá ou pra cá? É reaça ou prafrentex? É direitoso ou esquerdopata? É capitalista ou comuna? É Mario ou Sonic? Bolacha ou biscoito? Marvel ou DC? Nescau ou Toddy? Feijão por cima ou por baixo do arroz? AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH!!!

Mas gente, essa discussão sobre o Rock estar de que lado, é inútil! É uma perda de tempo completa, é c--

Isso aí, Profeta! Você sempre trazendo a posição mais ponderada e inteligente! Agora você vai dizer que devemos sempre fugir desses binarismos maniqueístas e limitadores, e buscar sempre a posição mais equilibrada e moderada, não é?

Ehr... não. Este autor ia dizer que essa discussão é inútil porque o Rock já tem um lado! Isso é tão óbvio! Basta ver a sua história, as mensagens que ele passou através das suas bandas e artistas,  prestar atenção no que eles acreditavam e defendiam, o impacto que o estilo causou na sociedade, os movimentos que ele inspirou... O problema é que as pessoas levam o Rock como "apenas um estilo musical", como se ele fosse tão despolitizado e sem conteúdo quanto o Sertanejo Universitário ou Axé. Mas se parassem um segundinho pra analisar, ler as letras, assistir as entrevistas das bandas, essa discussão sobre a posição política do Rock nem existiria!

Ahm... ok... Então, o Rock é o quê?

Mas numa coisa, você está certo, caro leitor! Esse binarismo é chato mesmo. Esquerda, direita, lado, diagonal, não interessa. Mas o Rock sempre seguiu uma tendência específica, uma atitude bem clara e definida. Se ele for alguma coisa, de fato, podemos afirmar com segurança que ele...