segunda-feira, 27 de julho de 2015

Indicações de bandas 2

Mais uma vez, este autor que vos fala vem trazendo boas novas do underground brasileiro, com bandas que agradam a todos os públicos (rockeiros e metalheads) e que merecem a sua atenção. Sem enrolar muito, vamos a elas.

Banda: Café Cancún
Origem: São Paulo
Integrantes: Yuri Fidalgo (vocal), Rik Spoladore (baixo), Jota (guitarra) e Ricardo Gonçalves (bateria)
Nascida em: 2012
Olha, se toda banda de Pop Rock fosse como o Café Cancún, o Brasil estaria salvo. Graças às diferentes influências sonoras de cada integrante, a banda consegue fazer uma mistura muito coesa entre o melhor do Rock e Pop, resultando numa sonoridade incrementada e rica em detalhes e elementos. Seu primeiro CD chamado "Exploda!" foi lançado em 4 de maio deste ano (e que está disponível no SoundCloud). Também foi lançado o single "Queimar", juntamente como seu videoclipe, que você confere abaixo.


Banda: Remove Silence
Origem: São Paulo - SP
Integrantes: Danilo Carpigiani (vocal e guitarra), Ale Souza (vocal e baixo), Fabio Ribeiro (teclados) e Leo Baeta (bateria)
O Remove Silence é uma banda formada originalmente em 2009 por integrantes do Shaman, mas que acabou passando por uma reformulação devido a troca de integrantes, e hoje aposta numa sonoridade mais alternativa que não deixa de ser atrativa e bibrante, sendo uma boa pedida para quem tem os ouvidos mais abertos e já tem uma quedinha por bandas como Nine Inch Nails e Muse. O trabalho da banda pode ser visto no seu SoundCloud e no ReverbNation, e também no próximo EP intitulado "Irreversible" programado para ser lançado no dia 4 de agosto deste ano. E por enquanto, podemos conferir o videoclipe oficial da faixa-título desse EP vindouro:



Contatos:
Telefone: (11) 2242-7548 / (11) 98473-9885
E-mail
Twitter
Facebook
MySpace
Google+
YouTube
***

Banda: Eletroacordes
Origem: Porto Alegre - RS
Integrantes: Rodrigo Vizzotto (vocal, baixo e teclado), Fabrício Costa (vocal e guitarra) e Elio Bandeira (bateria)
Com uma sonoridade influenciada pelo Rock, Blues e a sonoridade típica dos anos 70, o Eletroacordes consegue fazer um som conciso, pontual, impecável na sua proposta e, porque não dizer, nostálgico. Não tem muito mistério ou firula, é só o bom e velho Rock and Roll na sua forma mais pura e cativante. A banda tem um EP intitulado "Respire Fundo" lançado em 2013, que está disponível no seu site oficial.


Banda: Sagrado Rock de Cada Dia
Origem: Brasília - DF
Integrantes: Renato Valle (vocal), Isaac De Almeida (baixo elétrico e acústico), Brener Rodovalho (guitarra e violão), Filipe Campos (guitarra e violão) e Marcelo Martins (bateria e percussão)
Nascida em: 2010
Que tal falarmos de uma banda que combina com a temática do blog? Inclusive na sua página oficial, que tem os dizeres "O Rock, comportado ou não, tem algo que o distingue de forma muito particular dos demais gêneros musicais, independentemente de época: o seu profundo caráter contestador! Rock é sinônimo de contestação, quebrar barreiras, inconformismo e rebeldia."? Pois é com essa atitude que o SRCD faz músicas autorais com letras inspiradas embaladas em um bom Rock n Roll que até apresenta certa virtuosidade, devido aos climas que cada música emana. A banda gravou em maio de 2012 o CD intitulado "SRCD – Sagrado Rock de Cada Dia" (disponível do SoundCloud) e em maio de 2015, lançou este videoclipe da canção "Palavras". E caso você não se impressione muito com o trabalho da banda por esta música abaixo, pode conferir seu CD que eu tenho certeza que você irá gostar (8).



Contatos:
E-mail
Site
Twitter
Facebook
***

Banda: Imperativo Categórico
Origem: Rio de Janeiro - RJ
Integrantes: Gustavo Santos Hosken (vocal) Eduardo Vinícius Alves (baixo) e João Ricardo Zanchetta (guitarra)
Nascida em: 2011
Com nome de um princípio filosófico kantiano, a banda Imperativo Categórico imprime essa proposta mais "cabeça" em suas músicas com letra bem sacadas que abordam temas sobre política e sobre comportamento em geral. A banda tem um EP intitulado "Tá na Cara" que contém três faixas bem fluídas e com uma pegada na medida certa. Cada faixa também tem sua sonoridade e clima bem únicos e característicos, mostrando com a banda é versátil. Você pode conferir esse trabalho no SoundCloud e no PalcoMP3.


Banda: Blind Horse
Origem: Rio de Janeiro - RJ
Integrantes: Alejandro Sainz (vocal), Rodrigo Blasquez (guitarra), Eddie Asheton (baixo) e Maicon Martins (bateria)
Nascida em: 2014
Blind Horse é uma banda que parece um tesouro perdido no tempo, graças a sua pegada Blues-Psicodélica-Jazz-Funk-Rock Clássico do fim da década de 60 e começo da década de 70. Mas a banda é carioca mesmo, e ainda por cima, recente! Ela consegue surpreender o ouvinte mais experiente que acaba ficando desesperado pensando "Onde esse clássico se escondeu todo esse tempo???, e também consegue surpreender o ouvinte mais novo, que fica atraído pela sua sonoridade old-school, mas que não parece datada. Enfim, o Blind Horse é a banda mais "raiz" e psicodélica atual que você ouvirá em muito tempo! Ele lançou seu primeiro EP agora, em maio de 2015, intitulado "In The Arms of Road" e contendo três músicas imperdíveis. Abaixo você confere o EP inteiro.



Contatos:
Telefone: (21) 99863-1611
E-mail
Site
Instagram
Facebook
***

Banda: Threesome
Origem: Campinas - SP
Integrantes: Ico Naked (guitarra base, piano, teclado e vocal), B. Naked (vocal), Juicy Naked (vocal), Bob Rock (baixo), Rick Moon (bateria) e Johnny B (guitarra solo)
Nascida em: 2012
Apesar de ter uma aura um tanto alternativa, o Threesome une seu estilo e personalidade própria à fortes influências do Blues e Acid Jazz, além do típico peso e malícia característicos do Rock dos anos 60/70 - a malícia se nota logo pelo nome da banda, que tem referência ao ménage à trois. A banda canta em inglês e possui uma qualidade e produção primorosa em suas obras, que contém personalidade, charme e te prendem até o fim. Prova disso é o seu álbum "Get Naked", que contém 9 faixas que podem ser acessadas e saboreadas no SoundCloud e no ReverbNation.



Contatos:
Telefone: (11) 99506-9164
E-mail
Site
Twitter
Instagram
Facebook
MySpace
YouTube
***

Banda: Bella Utopia
Origem: Goiânia - GO
Integrantes: Isabela Eva (vocal), Luis Maldonalle (guitarra), Rickson Medeiros (baixo) e Junão Cananéia (bateria)
Calcado na sonoridade forte e agressiva do Metal, o Bella Utopia é marcado principalmente pela voz forte, rouca e surpreendente da vocalista Isabela, que narra letras inteligentes e críticas cantadas em bom português. Só essas características já destacariam a banda entre as demais, mas ela também aposta na organicidade e naturalidade do seu som, além de ser tão boa na sua pegada violenta quanto nos seus trechos ou refrões mais melódicos, demonstrando bom domínio e habilidade do instrumental que não perde o tom e a postura, cuja sonoridade acaba ficando difícil de rotular. Mas quem liga pra rótulos? Em 2014, a banda lançou seu CD "Dilema do Prisioneiro" que contém 12 faixas e está à venda em torno de 30 reais (e que por sorte, está disponível aqui).



Contatos:
Telefone: (62) 9979-9690
E-mail
Site
Instagram
Facebook
YouTube

domingo, 26 de julho de 2015

Vivendo no ócio [08]: Filmes de super-herois

Nesta semana este autor viu o filme do Homem-Formiga no cinema, e apesar de ser um ótimo filme, este autor percebeu que ele não tem uma trilha sonora marcante, só a música latina que aparece no início do filme. Inspirado nisso, este autor resolveu reunir uma playlist com músicas abençoadas por Deus Metal que deram suas caras em obras de super-herois. Então prepare-se para vestir sua máscara, colocar sua capa e... não pular do prédio. Ouça essa playlist só, tá.

E já começamos com uma música que aparece no Demolidor! Mas não no filme do Demolidor, que só tem Nu Metal (e que as músicas mais marcantes são do Evanescence). Ela aparece na série do Demolidor da Netflix, mais especificamente no seu oitavo episódio, que mostra a infância do vilão Wilson Fisk.


quinta-feira, 16 de julho de 2015

Ciúme musical

Leitor, suponhamos que você tenha um amigo que é headbanze. Pergunte se ele gosta de alguma banda, artista ou música herege. A resposta vai ser "sim", sempre. Mesmo que ele não diga de primeira, ou não disser com orgulho ou simplesmente não dizer, ele gosta de alguma coisa herege com certeza, e não há possibilidade de acontecer o contrário. Pois mesmo que ele tenha orgulho e não diga que gosta, mas respeita por exemplo o Jazz, o ato de respeitar já denota que a pessoa tem uma certa afeição pelo estilo, ou seja, gosta.

Mas tudo bem, né? Um rockeiro que se respeite sabe apreciar e respeitar coisas fora do Rock, por isso esse "desvio" é uma coisa explicável e natural.

Eu não sou feito só de Accept, Riot, Racer X, Mercyful Fate e Sodom, gente, eu tenho cultura! Podem conversar sobre Chico Buarque, Gilberto Gil e Elis Regina que eu falo numa boa!

E quando a situação se inverte? Fale com seu amigo herege e pergunte se ele gosta de alguma coisa de róqui. Se ele disser PittyThe Offspring, Muse, SlipKnot e outras de Rock herege, isso não vai afetar...

Mas e se falar Led Zeppelin? Guns N' Roses? Black Sabbath? AC/DC? Aí é possível que você tenha essa expressão:

Como você conheceu ela?! Pelo Guitar Hero?! Que músicas tu conhece?! Fala as que não são famosas!!! Quando a banda surgiu?! Já foi em quantos shows dela?! Qual o nome de todos os integrantes?! Qual a marca da guitarra do guitarrista?! Você tem a discografia da banda comprada ou baixada?! Você [...]

Se você não tiver essa reação, parabéns! Pois essa reação de questionar o herege pra ver se ele é um "fã verdadeiro" ou "rockeiro verdadeiro" é tosca, mas muito comum. É um comportamento que atinge várias pessoas de vários estilos musicais, mas que se manifesta mais intensamente entre os fãs de Rock. E este comportamento se chama ciúme musical, e se caracteriza por ser um sentimento irracional e bobo, que faz a pessoa se sentir única especial por ouvir determinada(s) banda(s) ou certo estilo musical. Então, quando outras pessoas quaisquer ouvem a mesma coisa, a pessoa se sente pessoalmente atingida por aquele "ultraje", e passa a ter raiva daqueles "indignos" que tem a audácia, a petulância, a ousadia de cometer aquele ultraje, que é... ouvir a mesma coisa que ela.

O ciúme musical ocorre geralmente quando conhecemos um desses "indignos", ou quando ficamos sabendo que um artista herege revela gostar de coisas que também gostamos. Por exemplo, a Lady Gaga já se declarou abertamente fã de Black Sabbath, Iron Maiden, Def Leppard, KISS, Alice Cooper e outros rockeiros. E qual é a reação dos headbangers? A previsível reação de "não me toque" do ciúme musical, com argumentos como "Ah, duvido!", "Só tá falando isso pra se promover!", "Não consegue falar 10 músicas de cada banda!", "O que o dinheiro não faz, né?", "Falta de vergonha na cara!", entre outros. No fundo, tudo isso quer dizer que a Lady é uma artista pop, por isso... não pode gostar de Rock de verdade. Isso tem tanta lógica quanto este autor que vos fala dizer que é caucasiano, e por isso, não sabe andar de bicicleta. Ele realmente não sabe andar de bicicleta (sim, podem rir), mas não tem nada a ver uma coisa com a outra. Afinal, se rockeiros podem gostar de Bryan Adams, The Cure, Michael Jackson ou Eurythmics, porque artistas hereges não podem gostar de Rock? Uma coisa não impede a outra.

O ciúme musical é um a bobeira, mas também pode ser encarado como algo auto-destrutivo para os rockeiros, uma vez que a principal causa para rockeiros adquirirem esse vírus é a crença de que rockeiros são mais inteligentes que todo mundo, que conseguem compreender as coisas melhor do que todo mundo, que tem mais cultura que tudo mundo, etc. E por se considerarem a raça ariana da música, o seu estilo musical passa a ser intocável. Por isso, qualquer criatura que não for rockeira (ou seja, alienada, burra, bitolada, ignorante e desprovida de cérebro) que vier a gostar de uma musiquinhazinha de Rock, será considerada indigna, infiel. Ninguém pode mexer no preccciooooosssoooooo!!!

Ora, irmãos. Este é exatamente o comportamento que um seguidor de Deus Metal não pode ter. Como, irmãos, conseguiremos espalhar a palavra do Rock e arrebanhar mais fieis, se tivermos este ciúme musical entranhado em nossas mentes? Como seremos dignos de respeito, se não respeitarmos o próximo? Em verdade, em verdade, vos digo: CRESÇAM, PORRA. Caham... quer dizer... Sejamos maduros. Não nos comportemos como aquela criança que não quer dividir seu brinquedo, ou como o pentelho que não quer emprestar seu bonequinho da Galinha Pintadinha para o coleguinha da creche. Devemos ser maiores que isso, devemos ser A Universal evolúidos, devemos praticar a tolerância e o altruísmo, não devemos ter receio de compartilhar nossas coisas, nossa sabedoria e nosso conhecimento. Não podemos ser elitistas e pensar que "gentinha diferenciada não pode gostar do que EUzinho gosto". Sabem com o que vocês se parecem agindo assim, irmãos? Com aquele hipster que vibra no Lolapalooza, que vai no Starbucks tirar selfies com seu IFome 6, que entra na piscina pela escadinha e ama cinema europeu, que ouve Lana Del Rey de barba e cabelo grande com coque. Sim, irmãos. Vocês não ficam nada bem.

"Ain, como você é incoerente, promerda rocker, fala pra respeitar as pessoas, mas desrespeita os hipsters qu--"

E eles não merecem respeito nenhum mesmo não, merecem machadada no coco. Pode chorar a vontade.

Então irmãos, é este o sermão que este autor tinha pra hoje. Não tenham ciúmes das suas coisas, compartilhem, curtam, se inscrevam no canal e divulguem pros seus amigos. E compartilhem essa banda abaixo também. Adeusmetal.